Categories
General

Benefícios do vinho para a pele

O vinho tinto também é conhecido por ser saudável para o coração e uma das bebidas mais saudáveis para participar, enquanto em uma dieta de perda de peso.

O vinho tinto é uma das bebidas alcoólicas mais populares em torno. Os humanos têm consumido o rubi vermelho vinho desde tempos imemoriais. A bebida, que tem sido um instrumento de lazer e relaxamento para os amantes do vinho, também vem com uma série de benefícios para a saúde. Alguns dos benefícios mais conhecidos do vinho tinto são creditados à presença de antioxidantes na bebida.

Além de ser grande para a pele, o vinho tinto também tem sido conhecido por ser coração saudável e uma das bebidas mais saudáveis para participar, enquanto em uma dieta de perda de peso. Isto porque tem muito menos calorias e os antioxidantes e taninos presentes na bebida combatem a inflamação no corpo.

Vários estudos científicos atestaram os benefícios para a saúde e a beleza desse ocasional copo de vinho tinto. Ele também é usado em uma série de tratamentos de luxo faciais e spa em todo o mundo.

No entanto, os seus benefícios mais importantes e diretos são para a pele. Acredita-se que o vinho tinto seja uma das melhores bebidas anti-envelhecimento, não só porque pode reduzir os riscos de doenças cardíacas, acidentes vasculares cerebrais e lesões das células reversas, mas também porque pode ter efeitos duradouros na sua pele e saúde capilar.Aqui estão alguns alegados benefícios para a saúde do vinho tinto para a sua pele:

  • Ajuda a combater o envelhecimento da pele: o vinho tinto pode apenas ajudá-lo a envelhecer melhor. A presença de antioxidantes como flavonoide, resveratrol e taninos lutam contra o envelhecimento da pele, restaurando colágeno e fibras elásticas, revela um nutricionista baseado em Deli.
  • Ajuda-o a dormir um pouco de beleza: o vinho tinto também pode ajudá-lo a dormir melhor, devido à presença de melatonina, a hormona que regula os nossos ciclos de sono.
  • Melhora a pele: o vinho tinto também pode ajudá-lo a obter um tom uniforme da pele e recuperar esse brilho evasivo em seu rosto, que muitas vezes se perde devido ao stress excessivo e poluição.
  • Luta contra o acne: o vinho tinto também tem propriedades anti-sépticas e anti-bacterianas e pode ajudar a combater os ataques de acne. Aplicar o vinho tinto topicamente em seu rosto pode limpar poros e, portanto, evitar acne.

Como Fazer Vinho Tinto Facial Em Casa:

Um número de salões e spas em todo o mundo oferecem serviços faciais do Vinho e estes tendem a ser bastante caros. Você pode recriar os efeitos destes caras faciais em casa, a um custo relativamente menor. Tudo que você precisa é uma garrafa de um vinho tinto de boa qualidade e alguns ingredientes básicos que estão prontamente disponíveis em quase todas as cozinhas.

Além disso, os resultados do facial dependem da qualidade do vinho utilizado, como diferentes tipos de vinho tinto, têm diferentes tipos e níveis de antioxidantes. Por exemplo, Pinot Noirs tem os mais altos níveis de resveratrol. Enquanto isso, Shiraz, Cabernets e Merlots são ricos no antioxidante procyanidina. Vinho tinto pode ser usado em todos os passos de um facial; direito de limpeza, tonificação, esfregar e até mesmo para massagens faciais normais.

  • Para a limpeza: comece por limpar o rosto com um pano limpo e úmido. Misture uma colher de sopa de sumo de limão com três ou quatro colheres de vinho tinto. Mergulhe uma bola de algodão limpa nesta mistura e aplique – a na sua cara. Massaje suavemente a loção de limpeza na sua face e depois de algum tempo lave-a com um papel de tecido limpo.
  • Para esfregar: você pode usar vinho tinto para criar uma pasta esfoliante também. Misturar o vinho com um bom esfoliador natural, incluindo arroz moído, café, açúcar, etc. Misture algumas colheres de sopa de vinho tinto com o seu esfoliador e misture-o para fazer uma pasta áspera. Aplique esta pasta em movimentos circulares para remover a sujidade e as células mortas da pele.
  • Para massagens: tome um pouco de aloe vera gel ou água de rosa, algumas gotas de qualquer óleo essencial da sua escolha e uma colher de sopa de vinho tinto. Misture todos os três ingredientes corretamente e massaje-o em seu rosto suavemente. Use as pontas dos dedos para massajar a pasta na cara e certifique-se de que se concentra em todas as áreas da face, incluindo testa, queixo e sob os olhos. Isso ajudará a melhorar a circulação sanguínea no rosto e também permitirá que todo o seu rosto se beneficie com isso. Massaja a cara durante pelo menos 10 minutos e depois limpa a pasta.
  • Para a embalagem de rosto de vinho tinto: a embalagem de rosto de vinho tinto pode ser feita usando duas colheres de sopa; cada uma de vinho tinto e iogurte e uma colher de mel. Misturar todos os ingredientes, aplicá-lo em seu rosto e deixá-lo ligado por 15 minutos. Lave-o com um pano úmido e repare na diferença.

Aí está! Você pode usar qualquer um destes passos de forma independente ou em combinação, para melhorar a qualidade de sua pele facial.

Fonte: https://chapiuski.com.br/como-fazer-caipirinha/caipirinha-de-vinho/

Categories
General

A arte neoclássica e seu auge

A arte neoclássica com suas características inovadoras expressou uma nova tendência estética, além de destacar os valores da nova e recém fortalecida burguesia. Seus traços, suas características e cada toque desta arte trazem consigo muita história, informação e conteúdos emblemáticos.

Se você é um amante das artes, e adora saber cada vez mais sobre cada uma delas, não deixe de acompanhar o nosso artigo de hoje. Nele lhe apresentaremos as características do neoclassicismo, bem como qual foi o seu auge. Acompanhe:

O que foi a arte neoclássica?

O neoclassicismo tratou-se de um movimento cultural que teve a sua origem na Europa Ocidental, por meados do século XVIII. Obteve uma grande influência e significado de arte e na cultura de todo o ocidente, por até meados do século XIX. Sua base partia de ideais do iluminismo, além de ter um toque do renovado interesse pela cultura da Antiguidade Clássica.

Trabalhava os princípios do equilíbrio, da moderação e do idealismo, como um tipo de reação contra os excessos estabelecidos pelo dramático e decorativista movimento Barroco. O neoclassicismo foi um movimento do tipo revivalista, como o seu próprio nome dá a entender, voltando-se para a Antiguidade Clássica, como o principal modelo de vida.

Entendia-se, há um bom tempo, que a tradição clássica apresentava grande impacto de autoridade moral, além de estética, e por essa razão era percebida como um modelo ideal a se seguir. O neoclassicismo, portanto, trazia a tona a “volta aos clássicos”, mas com um toque de novo, sendo o “novo clássico”.

Arte neoclássica e a arquitetura

A partir do neoclassicismo é que pudemos notar o surgimento de grandiosos edifícios, com traços e uma estética baseada totalmente no estilo racionalista. Edifícios com colunas colossais, pilastras que eram despojadas de capitéis e uma decoração mais sutil, apenas com frisos de meandros e rosetas. A luta do movimento também era “contra” o decorativismo em excesso. Visando, dessa forma, a simplicidade da natureza, em traços menos apelativos.

Do mesmo modo, os materiais utilizados eram os clássicos e tradicionais, como madeira, granito e o mármore. Porém, contava com a modernidade do ladrilho cerâmico e do ferro fundido, proporcionando um baixo custo a obra, mas grandes funcionalidades.

Os tetos eram planos, ou então, abóbodas e berços, com colunas que os sustentavam de um modo muito clássico e elegante. Havia ainda algumas construções com aresta emoldurada, e cúpulas que ficavam nas zonas centrais destas mesmas.

Com construções tão imensas, todas as cidades passaram a se adaptar ao movimento. Para isso, necessitou-se de largas e imensas avenidas, para que pudessem suportar e abrigar todos os novos edifícios públicos e as universidades. Em muitas cidades podemos ainda perceber estes mesmos traços, em seus monumentos e construções centrais. Muitos tornaram-se verdadeiros pontos turísticos.

Arte neoclássica e as esculturas

Quanto as esculturas, podemos notar um toque mais frio em cada estátua produzida. Inicialmente, víamos heróis, mulheres, crianças conversando com os filósofos e tantos outros personagens mais do “cotidiano”. Embora mais tarde este tipo de arte passara a se restringir apenas as estátuas do tipo “equestres”, e em bustos focalizados no imperador. Era encontrada uma referência da antiguidade clássica, em cada estátua, que faziam com que cada obra possuísse certo naturalismo mais equilibrado.

Considerava-se os movimentos realistas do corpo, bem como as posições. Porém, as obras apresentavam uma certa “isenção” do realismo psicológico, uma vez que destacava-se expressões de melancolia e constante expressão pensativa nos rostos.

Buscava-se um equilíbrio entre a beleza ideal e o naturalismo, fazendo com que os artistas e escultores da época pensasse e estudasse cada movimento do corpo com muita atenção.

Para a criação das obras eram utilizados materiais como mármore, terracota e o bronze. Porém, mais tarde, a partir de 1800, passou-se a utilizar o mármore branco nas esculturas. Uma vez que este mármore apresentava a possibilidade de ser polido, e assim, adquirir o brilho natural de nossa pele. Proporcionando o acabamento mais popular para as esculturas, desde então.

Os escultores mais renomados e importantes da época foram: Antonio Canova e Bertel Thorvaldsen. Enquanto que o primeiro foi o exclusivamente o escultor de toda a família Bonaparte, e o segundo presidiu a Accademia di San Lucca, localizada em Roma.

Arte neoclássica e as pinturas

A pintura no período neoclássico teve como inspiração a escultura clássica grega, além de ter como referência a pintura renascentista da Itália, como nas obras de Rafael, ao proporcionar o equilíbrio da composição.

As características primordiais da pintura, naquela época, condiziam com certo formalismo na sua composição, o que refletia um racionalismo muito dominante. Além disso, destacava-se a exatidão em cada contorno, com uma sobriedade no colorido. As pinceladas, de certa forma, não marcavam a superfície, mas sim, proporcionava um aspecto impessoal à obra. Dessa forma, o que predominava era o desenho, que ficava sobre a cor em si.

Por fim, a harmonia, como um todo, com o equilíbrio de cores era outro ponto muito marcante do movimento. Estabelecendo sempre um equilíbrio primordial em toda a obra.

Os principais pintores da época foram: Jacques-Louis David; Jean Auguste Dominique Ingres;

O auge da arte neoclássica

O auge da arte neoclássica foi marcado pela passagem do movimento como destaque em suas obras que traziam o novo, ao mesmo tempo em que voltávamos para o clássico. Com muitos traços do passado, o neoclassicismo decolou em direção as esculturas, arquiteturas e pinturas a partir do século XVIII.

Fez parte da cultura de todo o ocidente durante décadas, passando de geração para geração as esculturas sérias, melancólicas, mas com uma harmonia e equilíbrio impactantes. As cores nas telas também se fizeram presentes, mas não tanto quanto os desenhos que limitavam cada uma das tintas. A pincelada suave, sem marcação, perdurou por anos, como a arte e o movimento do momento.

O auge do neoclassicismo foi entre o século de seu surgimento, até o século XIX. Dessa forma, podemos perceber o quanto a influência desta arte em todo ocidente não é tão antigo como pensávamos. Está muito mais próximo do nosso desenvolvimento nas artes do que imaginávamos. O neoclassicismo foi uma revolução, um marco em nossa história.

Fonte: https://artout.com.br/pop-art/